Rede Social do Café

T Ó P I C O : Bloco de países da Ásia-Pacífico consome 34% das bebidas quentes

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 4966

Visitas: 19.270.261

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

Bloco de países da Ásia-Pacífico consome 34% das bebidas quentes


Autor: Leonardo Assad Aoun

66 visitas

1 comentários

Último comentário neste tópico em: 11/08/2017 16:43:40


Leonardo Assad Aoun comentou em: 11/08/2017 13:25

 

Bloco de países da Ásia-Pacífico consome 34% das bebidas quentes

 

Outro dado interessante é que estimativas do crescimento do consumo de bebidas feitas com misturas instantâneas à base de café demonstram que elas deverão ultrapassar a demanda do café solúvel até 2021.

Porto Alegre, 11 de agosto de 2017 - Números e análises do cenário atual do consumo de café em nível mundial apontam que 34% das vendas de bebidas quentes, que são compostas basicamente por café torrado, torrado e moído e solúvel, chás e demais bebidas aquecidas apreciadas no mundo, ocorrempredominantemente no bloco de países da Ásia-Pacífico.

Outro dado interessante é que estimativas do crescimento do consumo de bebidas feitas com misturas instantâneas à base de café demonstram que elas deverão ultrapassar a demanda do café solúvel até 2021.

Com relação ainda a bebidas quentes, os números do cenário mundial atual indicam que o mercado consumidor tem apresentado crescimento, além das regiões citadas (Ásia-Pacífico), também na América Latina, Oriente Médio eÁfrica. Outro segmento que tem apresentado expansão no consumo é o de café em cápsulas, com um crescimento médio de 7% ao ano em termos globais.

Em contrapartida, na Europa Ocidental, o consumo de bebidas quentes tem registrado,percentualmente, declínio, pois em 2011 correspondiam a 26% do consumo global e, em 2016, caiu para 21%.

Esses dados e análises do consumo mundial de café e demais bebidas quentes, entre outros destaques pertinentes a produção, indústria, cafeteriase insights, constam do Relatório Internacional de Tendências do Café (VOL.6/N06/ 31 JULHO 2017), do Bureau de Inteligência Competitiva do Café, da Universidade Federal de Lavras - UFLA, cuja edição na íntegra está disponível no Observatório do Café, do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café, assim como as demais edições anteriores, que valem a pena serem conferidas.

De outro lado, em julho de 2016, o Bureau indicou que estaria havendo aumento no consumo de cafés gelados, aumento que sinalizava uma tendência com potencial para consolidação e impacto duradouro no mercado desse tipo de bebida à base de café, pois pequenas e grandes empresas do setor já apostavamna oferta dessas bebidas, que estavam se tornando cada vez mais populares, principalmente entre os jovens.

Recentemente, de acordo com o Relatório de julho de 2017, a indústria de cápsulas também passou a explorar as oportunidades existentes no mercado de cafés gelados, tanto que uma grande empresa do setor, que atua em nível mundial, lançou duas edições limitadas de cápsulas especialmente desenvolvidas para serem consumidas geladas, cujos grãos são provenientes do Quênia, Colômbia, Costa Rica e Brasil.

Em relação especificamente à produção no Brasil, o Bureau de Inteligência Competitiva do Café analisou o período da produção de 2008-2017 de Coffea canephora, tendo como fonte os dados da Companhia Nacional de Abastecimento - Conab dos três estados que são os maiores produtores desse grão no país: Espírito Santo, Rondônia e Bahia.

O estudo apontou que o Espírito Santo, maior produtor nacional de C. canephora, apresentava uma trajetória de aumento na produção até 2014, quando problemas com estiagem ocorreram no Estado. Com isso, o ano de 2016 tevea menor produção no período analisado, com 32% menos que 2008. No entanto, osegundo levantamento da Conab para 2017 mostra uma recuperação com estimativade colheita 16,9% superior ao ano anterior.

O incremento, de acordo com a Conab, se deve à ocorrência de chuvas no período de dezembro de 2016 a fevereiro de 2017, além da adoção de novas tecnologias pelos cafeicultores. Aprodutividade estimada é de 25,01 sacas/hectare, número 29,1% maior que 2016. Mesmo assim, o volume colhido ainda será inferior a 2008.

Com relação a Rondônia, a estimativa de produção para 2017 é menor que a de 2008, em decorrência de a área cultivada ter diminuído, a despeito de haver expressivo ganho de produtividade. Com isso, a estimativa de produtividade para o ano corrente será a mais alta obtida no estado, com elevação de 14,9%, se comparada com 2016, chegando a 21 sacas por hectare.

Na Bahia, a estimativa aponta um grande aumento na produção em decorrência de um bom volume de chuvas ocorrido no período de agosto de 2016 aabril de 2017, o que permitiu que as plantas se recuperassem da estiagem de 2015. A produtividade foi estimada em 40,4 sacas por hectare para 2017, o que representa uma elevação de 124,3% em relação ao ano anterior.

Assim, a produção total foi estimada em 1,8 milhão de sacas, 122,5% maior que em 2016.Dentro da série histórica, ela representa um aumento de 219% em relação à safra de 2008. Com base nesses dados, de acordo com as estatísticas da Conab, aprodução brasileira de canéfora em 2017 será de 10,1 milhões de sacas de 60kg.

As informações partem da Embrapa Café. Revisão: Fábio Rübenich (fabio@safras.com.br) / Agência SAFRAS

Fonte: Revista Cafeicultura

Visualizar | |   Comentar     |  



1