Rede Social do Café

T Ó P I C O : Bolsa propõe alternativa de mercado para cafeicultores

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 5093

Visitas: 21.009.164

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

Bolsa propõe alternativa de mercado para cafeicultores


Autor: Leonardo Assad Aoun

1.522 visitas

2 comentários

Último comentário neste tópico em: 15/02/2019 11:43:20


Leonardo Assad Aoun comentou em: 22/01/2019 11:13

 

Reunião na AMOG, em Guaxupé/MG busca solução para problemas da cafeicultura nacional

 

Cafeicultores se reunirão no  próximo dia 15 de fevereiro, na sede da AMOG (Associação dos Municípios Micro Região Baixa Mogiana), em Guaxupé (MG), na busca de solução para vários problemas que se arrastam na cafeicultura nacional.

Minas Gerais é o mais importante estado produtor de café, com mais de 50% da oferta brasileira. "Temos municípios totalmente dependentes da agricultura, vários deles possuem como carro chefe a cultura do café e se encontram com grande dificuldade devido aos baixos preços", afirma Fernando Barbosa, presidente do Conselho do Café da AMOG.

O plantio de café tem avançado, a renovação das lavouras também tem ocorrido, em muitos casos, com mudança de espaçamento para possibilitar a mecanização. Além da cafeicultura de montanha, em sua maior parte nas mãos da agricultura familiar.  

Almeja-se conta nesta reunião com cafeicultores de todas as regiões produtoras do país, que são aproximadamente 1800 municípios que geram direta e indiretamente 8 milhões de empregos. Apesar dos baixos preços, as exportações resultaram em US$ 6,15 bilhões em 2018.

"Apesar de toda essa importância na estabilidade econômica e social, nos últimos anos, nossa atividade vive constantes sobressaltos e insegurança, por condições climáticas e falta de políticas públicas efetivas tanto no mercado interno, como nas relações internacionais. Os levantamentos de previsão de safra e estoque interno são um bom exemplo das incertezas e falta de credibilidade", aponta Barbosa.

De acordo com o presidenta do Conselho, a presença maciça de toda a cadeia produtiva ajudará a AMOG no levantamento das demandas, sejam elas de curto, médio e longo prazo, tanto no mercado interno, quanto ao mundo globalizado e dará maior credibilidade e legitimidade junto aos órgãos governamentais. 

Fonte: AMOG/Notícias Agrícolas

Visualizar | |   Comentar     |  


Leonardo Assad Aoun comentou em: 14/02/2019 15:37

 

Bolsa propõe alternativa de mercado para cafeicultores

 

Na próxima sexta-feira (15), a cadeia produtiva do café estará reunida em Guaxupé, interior de Minas Gerais. O encontro, marcado para às 14h na sede da Associação da Micro Região da Baixa Mogina (Amog), apresentará diferentes aspectos do setor por meio de palestras com especialistas que tratam, desde inovação tecnológica, mercado e planejamento, até à análise sensorial do produto.

A segunda explanação do dia, marcada para 14h30, será ministrada pelo diretor da Bolsa Brasileira de Mercadorias, Cesar Costa, e tratará dos leilões de cafés especiais, um dos projetos da Bolsa para 2019. A proposta da Bolsa Brasileira ao setor cafeeiro é a utilização de leilões eletrônicos específicos e regulares para venda e escoamento de cafés especiais para compradores do mercado interno e para exportação. “Esse mecanismo permitirá ao setor uma exposição mais abrangente das ofertas para compradores de todo o país, com a garantia de recebimento por meio de uma conta de liquidação da Bolsa criada para esta finalidade”, explica o diretor.      

O evento encerra com um debate técnico em mesa redonda às 15h30. O objetivo é buscar soluções para os principais desafios da cafeicultura, como a questão de preços e políticas públicas, além da elaboração de um documento que fortaleça o setor. O documento será entregue à ministra da Agricultura, Tereza Cristina. “Pretendemos elaborar propostas que possam ser atendidas com medidas emergenciais e de longo prazo”, resume Fernando Barbosa, coordenador do evento e diretor do conselho da Amog.

São esperados para o encontro, cafeicultores de todas as regiões do país, além de representantes de entidades, lideranças e formadores de opinião. Atualmente, cerca de 1800 municípios trabalham na atividade, gerando, direta e indiretamente, mais de 8 milhões de empregos e Minas Gerais responde por mais da metade da oferta de café no país.

A produção de café no Brasil é responsável por cerca de um terço do volume mundial do produto, tornando-nos o maior produtor do grão, posição mantida nos últimos 150 anos. No ano passado, as exportações do produto brasileiro resultaram em US$ 6,15 bilhões. A Bolsa Brasileira de Mercadorias tem participação intensa no mercado através de mais de 140 corretoras de mercadorias associadas e é maior parceira da CONAB nos leilões de vendas dos estoques públicos oficiais.

Os leilões de cafés especiais serão transmitidos pelo Canal do Boi, integrante do Sistema Brasileiro do Agronegócio (SBA).

Confira a programação completa do evento:

Fonte: Bolsa Brasileira de Mercadorias

Visualizar | |   Comentar     |  



1