Rede Social do Café

T Ó P I C O : Estoques globais de café certificado caem e acentuam queda da oferta do arábica convencional

Informações da Comunidade

Criado em: 28/06/2006

Tipo: Tema

Membros: 5158

Visitas: 22.627.029

Mediador: Sergio Parreiras Pereira

                        

Adicionar ao Google Reader Adicionar ao Yahoo Reader Adicionar aos Favoritos BlogBlogs


Comentários do Tópico

Estoques globais de café certificado caem e acentuam queda da oferta do arábica convencional


Autor: Leonardo Assad Aoun

53 visitas

1 comentários

Último comentário neste tópico em: 08/04/2020 20:58:44


Leonardo Assad Aoun comentou em: 08/04/2020 20:49

 

Estoques globais de café certificado caem e acentuam queda da oferta do arábica convencional

 

Por Giovanni Lorenzon

Cooxupé Café Cafeicultura Agricultura Agronegócio

Produção menor é a marca da temporada de café, mais aumento do consumo nos lares (Imagem: Facebook da Cooxupé )

Em condições normais, como na entressafra brasileira, recorrer aos estoques de passagem de café não é motivo para fortes preocupações dos torrefadores mundiais. Mas quando há uma busca mais acelerada pelos estoques de cafés arábicas certificados é sintoma de que a escassez fica mais acentuada e compradores buscam até os produtos mais caros.

Melhor para os preços negociados em bolsa.

É o caso visto atualmente, avisa Jânio Zeferino, consultor da AgroEasy. Os inventários registrados na ICE Futures (Nova York), até ontem, estavam em 1,951 milhões de sacas, uma queda de quase 6%. A maioria concentrado em Antuérpia.

E o principal produtor originador de café certificado, a Honduras, também vem em baixa, acima de 5%.

Esses recuos são regulares, desde a pandemia se alastrando pelo mundo, e reforça o contexto de aumento do consumo doméstico, diz Zeferino. Quando se imaginava que as quarentenas pelo mundo, fechando cafeterias, bares e restaurantes, puxariam as quedas da oferta mundial – já esperadas antes da crise, do Brasil à Colômbia – foi anulado pelo excesso de consumo nas casas.

Um dado bastante convencional no mercado, segundo Marcus Magalhães, CEO da Marus Corretora e da MM Cafés, é que nas lojas e supermercados o consumidor compra no mínimo 250 gramas. Na rua, a média para bebedores é de um a dois cafés diários para ‘viciados’. Ele também concorda com essa justificativa para o reforço dos preços atualmente em Nova York.

Jânio Zeferino vê o aumento do consumo doméstico significativo na Europa, onde as restrições de circulação são extremadas, e no Estados Unidos, pelo gigante e tradicional consumo per capita do país.

Cotações

Motivados por esses fundamentos, mais o dólar valorizado por aqui, os valores na ICE ficaram em duas altas seguidas.

Nesta quarta, em base de realização de lucro, os contratos futuros tiveram uma perda residual de 0,10% no maio (US$ 119,80) e de pouco mais na tela de julho, que fechou em US$ 120,90.

Fonte: Money Times

Visualizar | |   Comentar     |  



1